SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

  • Em MOVIMENTO
  • 13 Jun 2017
  • 13 Jun 2017
  • 2233 Visualizações
internet .
internet Bruna Sampaio

Tríduo do Sagrado Coração de Jesus, será nos dias 20, 21 e 22 de junho, às 07h da manhã, na Matriz-Basílica. E no dia 23 de junho, sexta-feira, celebra-se o Dia do Sagrado Coração de Jesus, com a missa na Matriz-Basílica, no mesmo horário.

“Coração quer coração”

Um coração para amar

Estamos num mês dedicado ao Sagrado Coração de Jesus. É verdade que o corpo sem coração não vai muito longe. Assim também a vida humana sem o Coração de Jesus não pode dar bons resultados. Não se trata de ter uma devoção mas, sobretudo de ter uma opção de vida unindo-se ao coração Daquele que disse: “Vinde a mim,todosos queestaiscansados e oprimidos,e Eu vos aliviarei. Tomaisobre vóso meu jugo, e aprendei demim, que sou manso e humilde de coração;... Porque o meu jugo é suave, e o meu fardoé leve” (Mt 11,28-30). Uma devoção é muito boa quando experimentamos seu conteúdo, não simplesmente nas formas exteriores, como novena e oração executada e contada como se fosse um negócio. O fundamento da devoção ao Sagrado Coração não se reduz a seu coração de carne, mas a todo o amor de Deus manifestado em Cristo, simbolizado em seu coração. Como toda devoção há modos de vivê-la, formas de oração, uniformes, fitas, estandartes, linguagem especial, irmandades... e tantas coisas mais bonitas e frutuosas. O erro é ficar só nisso e não ir ao profundo dessa irmandade, confraria ou movimento. O fundamental é a contínua renovação. É um modo de aproximar-se do Evangelho e compreendê-lo. Sem isso, torna-se vazia a devoção. A devoção ao Sagrado Coração toca direto o amor do Pai em dar Cristo ao mundo para manifestar seu amor. Amor para amar. Devoção que é um projeto de evangelização através do amor. Não podemos parar no egoísmo espiritual que procura ganhar graças e méritos. As grandes promessas não podem ser vistas somente como um presente pessoal. Elas continuam no caminho de Jesus que veio para amar.

Coração aberto pela lança

O último momento de Jesus na cruz houve ainda o último lance para garantir a visibilidade de sua entrega amorosa: o golpe da lança que lhe furou o peito e penetrou em seu coração. Se pensarmos, foi ali o momento em que a humanidade quis entrar e tomar conta desse coração. O homem ferido pelo pecado dá o golpe final em seu peito. Por ali entrou e encontrou a libertação. Só dentro desse coração ferido que se pode encontrar vida. “E correu sangue e água” (Jo 19,34). Sem derramamento de sangue não há redenção (Hb 9,21). Encontrou a fecundidade, vida do Espírito. Ali, rompendo o véu do templo de seu corpo, do Homem – Deus, o humano encontra o Paraíso (Hb 10,19). O coração aberto pela lança abre o peito do Filho de Deus como caminho novo e vivo (Id). Entramos nas delícias que Deus reservou para nós. Temos assim algo mais para compreender esse momento: Como o coração do Filho de Deus foi aberto para dar entrada a todos, o coração de cada um tem que ser aberto para que experimentemos o que Deus nos oferece.

Mãos abertas

As imagens que vemos do Coração de Jesus têm mãos estendidas, abertas simbolizando a riqueza de seu coração a serem distribuída abundantemente. “De seu seio correrão rios de água viva” (Jo 7,38). Imaginemos que bem fazem os que amam a Deus. Rios de água viva dão vida por onde passam. Esse rio nasce do Coração de Jesus. Tão triste ver cristão, devotos do Coração, não ter nenhuma preocupação com os que sofrem. Ser generoso não empobrece ninguém. Enriquece sempre mais. O amor não soma, não diminui. Sempre multiplica. Quando lemos a multiplicação dos pães, compreendemos que os cinco pães e dois peixinhos alimentaram cinco mil pessoas. Assim é o amor.

Texto escrito por: Pe. Luiz Carlos de Oliveira CSsR - Vigário Paroquial

Deixe um Comentário

Comunidades

Redes Sociais

Jornal Boa Notícia

Leia também

MAIS NOTÍCIAS