HOMILIA DO 33º DOMINGO DO TEMPO COMUM

internet
internetBruna Sampaio

“Servo bom e fiel”

Ser vigilante é produzir

Continuamos a reflexão sobre a vigilância. Jesus explica o Reino através de parábolas. Temos hoje a parábola dos talentos (talento era uma moeda que equivalia a 40 quilos de ouro). Lemos que um senhor, saindo para uma longa viagem, confiou a três de seus funcionários altas somas de dinheiro/talentos para negociarem: a um deu dez moedas/talentos, cinco moedas a outro e ao último, uma moeda/talento. Não era pouco. Nós usamos talentos para indicar dons pessoais, mas a parábola fala de uma moeda. Ao voltar, os funcionários que receberam dez e cinco prestam contas dizendo que lucraram o dobro. O que ganhou um talento, preguiçosamente não quis negociar. A resposta é dura, sendo ele condenado à exclusão. Seu talento vai ao que lucrara cinco. Quem assume o Reino, terá ainda mais participação. O Reino não é um lugar bonito com belas paisagens. É uma luta para que possa ser sempre mais vivido e frutifique sempre mais para Deus e para o mundo. Vai governar dez cidades. Os frutos do Reino não são intimistas no pietismo vazio. É a implantação de um mundo novo e de criaturas renovadas. Deus nos dá talentos em abundância e de todos os tipos. O que se pede de nós não é material, mas multiplicar a vida e os dons que Deus nos deu. Lembremos que O Reino de Deus não deve ser considerado numa concorrência como lucros financeiros, mas de vida. A vigilância é produzir frutos. A vontade de meu Pai é que produzais fruto e o vosso fruto permaneça (Jo 15,16). A reflexão sobre o Reino priorizou muito o lado espiritual. Precisamos conhecer nossos dons e responsabilidades dadas por Deus e levar adiante os dons.

Vida a serviço

Com a leitura do livro dos Provérbios sobre a mãe de família, compreendemos que a vigilância se faz na atitude coerente de assumir a própria vida e missão como lugar onde agradamos a Deus e esperamos sua vinda. E na família que encontramos o primeiro lugar de desenvolver nossos dons, exercendo assim a vigilância. O Reino de Deus é dos pequenos e só os pequenos o tomam de assalto. Essa é a violência de que Jesus fala: “O Reino dos Céus sofre violência dos que querem entrar, e violentos se apoderam dele” (Mt 11.12). A força dos fracos que se colocam a serviço é maior que a violência dos fortes. É o que vemos na descrição da mulher forte. Lembramos nossas mães. É a videira fecunda de que nos fala o salmo: “Tua esposa é como uma videira fecunda no coração de tua casa” (127). Em nenhum momento se refere a cansaço, irritação, mas atividade permanente sem agitação. Representa os que colocam em ação os talentos humanos e espirituais que Deus lhes deu; têm mil olhos e sabem penetrar em todos os ambientes. O Reino não cresce como uma entidade. É algo que vive por si e acontece nas pessoas que assumem seus talentos .

Vigilantes e sóbrios

Os vigilantes não estão nas trevas de modo que o dia os surpreenda como um ladrão. São filhos do dia... Não durmamos, mas sejamos vigilantes e sóbrios (1Ts 5,5-6). Sobriedade convida a viver bem em todas as coisas e assumir tudo o que é bom com equilíbrio. Na perspectiva da vinda do Reino, nós apressamos na medida em que vivemos sua dinâmica. Não interessa tanto um Reino que venha no fim dos tempos, mas um Reino que se torna presente em cada um que o espera. Bem já dissera Jesus: “o Reino de Deus está entre vós” (Lc 11,21). A vida não é um ponto de ônibus onde se fica perdendo por esperar. Mas é uma empreita de ações que são fruto dos talentos que recebemos.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira CSsR

Vigário Paroquial

Deixe um Comentário

Comunidades

Facebook

Agende sua Romaria

Romaria

Data de Preparação

Batismo Matriminio