Setembro Amarelo

  • Em NOVIDADES
  • 10 Set 2018
  • 10 Set 2018
  • 192 Visualizações
Simone Godoy
Simone GodoySimone Godoy

Todos Pela Vida

Setembro Amarelo

Precisamos falar sobre suicídio!

Seguindo o modelo do Outubro Rosa – Prevenção do câncer de Mama -, Novembro Azul – Prevenção do câncer de próstata – foi lançada em 2015 pelo CVV (Centro de Valorização da Vida) o Setembro Amarelo, é uma campanha de prevenção ao suicídio. Segundo o Conselho Federal de Psicologia, mais de 800 mil pessoas morrem por suicídio todos os anos no mundo. Falar dos estigmas e tabus que norteiam o suicídio é a melhor maneira de prevenir. A Organização Mundial de Saúde (OMS) colocou este assunto como pauta prioritária de prevenção em saúde pública.

No passado era velado falar sobre o suicídio. Com o crescente aumento dos casos de suicídio no Brasil e no mundo, o assunto passou a ser tratado como problema de saúde pública. As causas que levam ao suicídio em sua maioria estão relacionadas a quadros depressivos, mas há também casos relacionados com drogas, abusos, bullying ou condições de vida que podem contribuir para o sofrimento psíquico.

O suicídio não escolhe idade, raça, credo ou sexo. Dados da OMS mostram que é crescente o número de mortes por suicídio em jovens entre 15 a 29 anos. Comportamentos estranhos em casa, escola ou trabalho podem ser um pedido de ajuda ou socorro por parte de um amigo, familiar que atentam contra a própria vida.

Tristeza, isolamento, angustia solidão, falta de ânimo constante são sintomas de alerta para pais, familiares e amigos a ficarem alerta sobre quadros depressivos de pessoas próximas que apresentem comportamento estranho aos que praticava frequentemente.

O simples fato de não conseguir executar pequenos hábitos, medo de sair de casa, desanimo, insônia, uso abusivo de bebida alcoólica, cigarro, jogos, até mesmo excesso em redes sociais podem apontar fatores de alerta para procura de um especialista.

O tratamento de casos depressivos pode ser feito com ajuda de um profissional de psicologia e psiquiatria. Em casos mais graves podendo associar uso de medicalização controlada. Quanto mais rápido o diagnostico mais eficaz o tratamento.

O dialogo é algo importante, pessoas tristes e isoladas tendem a não manter diálogos e ficarem cada vez mais fechadas. Estar atento ao comportamento estranho de jovens e adultos podem ser importantes na prevenção do suicídio. Se na sua escola, trabalho, grupo, movimento ou igreja tem alguma pessoa que tem se isolado ou apresenta algum dos sintomas de depressão, oriente-a a procurar ajuda.

Precisamos nos preocupar com as pessoas que estão ao nosso entorno e convívio, não se trata de invadir a privacidade, mas de humanização com o próximo. Entender como tais sofrimentos são produzidos, nas diferentes instancias é nosso papel social e humano de acolher e ressignificar este sofrimento. Falar sobre suicídio e trabalhar em favor da vida e ainda é o melhor remédio.

André Luís Garcia,Psicólogo.

Deixe um Comentário